Contos Escritos de Amigos

Males do jornalismo declaratório, por Flavia Lima.

Males do jornalismo declaratório Flavia Lima

 

Males do jornalismo declaratório.

 

Imprensa erra ao não contextualizar falas que expõem absurdos ou mentiras

 

Desde junho, circula entre jornalistas um texto provocativo de um escritor e colunista americano, convocando a imprensa a parar de servir como "alto-falante para mentirosos".

 

O texto aponta caminhos para a prática jornalística em meio aos desafios impostos pelo governo de Donald Trump.

 

Políticos sempre mentiram, diz Dan Gillmor, professor da Universidade do Estado do Arizona. A diferença é que agora eles usam o jornalismo tradicional e suas regras para amplificar seus recados e, na sequência, atacar a imprensa.

 

Impossível não fazer uma conexão com o enfrentado pela mídia brasileira no momento.

 

Na quarta-feira (21), em meio a críticas à Folha em rede social, a mim foi cobrado que analisasse o destaque dado pela imprensa a "falas absurdas".

 

Naquela manhã, o jornal reproduziu uma declaração do presidente sobre a questão ambiental com o título "Bolsonaro diz que queimadas podem ter sido causadas por ONGs".

 

Um post bastante compartilhado dizia ser difícil combater conteúdo falso quando o maior jornal do país escolhe publicar a declaração sem nenhum tipo de informação adicional.

 

A autora do post afirmava que uma expressiva maioria não passa do título da matéria e este não deixava claro que o presidente não dizia a verdade.

 

O ponto levantado pela leitora e, de certo modo, abordado no texto do jornalista americano, compõe o que talvez hoje seja uma das discussões mais relevantes na mídia tradicional: como lidar com uma profusão de afirmações feitas por atores políticos importantes, com pouca (ou nenhuma) conexão com a realidade dos fatos?

 

No jornalismo feito em tempo real, muitas vezes o absurdo entra sem questionamento.

 

Como o objetivo é que a informação esteja disponível pouco depois de ser obtida, ela é publicada primeiro para só depois ser contextualizada - isso quando há alguma contextualização posterior.

 

Como resultado, o leitor, sobretudo aquele que não passa do título ou das primeiras linhas da matéria, acaba perdido e desinformado.

 

Para Gillmor, alguns políticos usam a desinformação como estratégia, causando um estado de confusão e torpor que pode levar as pessoas a desistir de recorrer ao jornalismo para entender o que é verdadeiro ou não.

 

Em reação a isso, a proposta do autor é radical. Parem de colocar em programas de TV e rádio ao vivo pessoas acostumadas a mentir e só divulguem suas falas quando acompanhadas da devida explicação.

 

No caso do impresso, diz ele, ainda que levem mais tempo para publicar uma história, os jornalistas só devem dar vazão ao contrassenso quando a verdade tiver sido dita antes.

 

A provocação é boa. A imprensa, no entanto, não age errado ao noticiar o que os governantes falam, mas erra ao não expor com clareza que algumas falas equivalem a sentimentos ou a mentiras.

 

A boa notícia é que jornais e TVs parecem estar se convencendo de que contextualização é a melhor arma para enfrentar o estapafúrdio.

 

A própria Folha, pouco depois de publicado o texto que apenas replicava a declaração do presidente de que as ONGs poderiam ser responsáveis pelas queimadas, refez o título: "Sem provas, Bolsonaro diz que queimadas podem ter sido causadas por ONGs".

 

Acho pouco provável que os jornais deixem de lado a velocidade como ativo da maior importância no momento de publicar uma reportagem. O leitor quer saber antes. Além disso, publicar primeiro uma matéria pode significar mais audiência, e audiência é receita.

 

Porém nada impede que algum contexto seja oferecido no primeiro artigo e depois ampliado em nome da informação.

 

Afinal de contas, como diz Gillmor, a função do jornalista não se resume à taquigrafia (o método de, usando sinais e abreviações, escrever tão rápido quanto se fala).

 

Por definição, o que dizem governantes é notícia. As palavras podem trazer implicações importantes ao país e seus cidadãos, sendo impossível fazer jornalismo simplesmente as ignorando.

 

Mas toda fala pode ser enriquecida pelas circunstâncias que a acompanham, de modo a trazer mais elementos que ajudem o leitor a navegar entre os absurdos. Em outras palavras, o velho trabalho de perguntar, checar, investigar, comparar e ouvir os envolvidos. *Em resposta à coluna da semana passada, Marcelo Benez, diretor-executivo comercial da Folha, diz que o mercado publicitário está passando por transformações em todo o mundo e o meio revista tem sido um dos mais impactados por isso. "Neste contexto, a partir deste ano, as revistas que a Folha vem publicando não são necessariamente quinzenais, não têm uma periodicidade matemática, e têm sido temáticas, viabilizadas por meio de especiais, rankings e pesquisas Datafolha".

 

Autora: Flavia Lima

Repórter especializada em economia, é formada em ciências sociais pela USP e em direito pelo Mackenzie. É ombudsman da Folha desde maio de 2019.

 

Fonte: FSP, 25.ago.2019.

 

Site Parceiro

tercio

Você está aqui: Home Artigos escritos de amigos Males do jornalismo declaratório, por Flavia Lima.